quarta-feira, 28 de abril de 2010

JARDIM DA VIDA

A vontade de gritar está entalada na garganta
Os meus olhos se enchem de sangue
Estou pronto para ranger os dentes
Daqui a um minuto, corto meus pulsos
E deixarei o sangue escorrer e a pressão abaixar
Ate vir alguém para me socorrer

Me deitaram em uma cama de hospital
Pois meu plano de saúde cobriu a hospedagem
Apaguei totalmente e perdi os sentidos
Minha roupa esta vermelha
E quando sai de casa, a camisa era branca e a bermuda quadriculada
Deixei minha motocicleta no estacionamento
Vai ficar caro deixá-la tanto tempo La
Afinal, a quanto tempo fiquei desacordado?

Drº Tom = A um mês meu amigo

Duff = Você está falando sério?Afinal, me chamaste de amigo, mas não o conheço!

Drº Tom = Sou o médico neurologista que cuidou de você durante todo o tempo, lhe chamo de amigo, pois quando entrou em coma aqui no hospital, senti nos seus olhos a tristeza que transparecia e exalava em você, portanto, você passou a ser uma pessoa em que me esforçaria o máximo para curá-lo e saber um pouco da sua história triste e qual o motivo da tentativa do suicídio.

Duff = Por acaso estava drogado?

Drº Tom = Não meu amigo, apenas possuído por um sentimento terrível de tristeza e depressão, afinal, durma mais um pouco, pois acabei de preparar uma injeção de um remédio muito forte, que lhe fará dormir muito, você esta um pouco transtornado ainda, fizeste uma longa viagem e será difícil para você entender tudo o que aconteceu.

Duff = Como assim uma viagem, eu não me recordo!

Drº Tom = Relaxe meu amigo. Pronto, já esta preparada a injeção e aplicada em você, temos todo o tempo do mundo para conversarmos.

Duff = ZzZzZz

No momento que senti a injeção,não senti nenhum ardor ou dor da agulha penetrando em minhas veias, como se não as tivesse mais, mas dormi e intriguei-me com a situação, não lembro de tal viagem e muito menos dessemedico cujo nome eu desconheço, preciso avisar meus familiares, alias, ninguém veio me visitar ainda, devo ter perdido meu emprego, bom, o sono bate a porta dos olhos, o corpo desfalece e o pulso dói, o corte já cicatrizou mas ainda incomoda, arde e parece sangrar, mas ao mesmo tempo, pareço não ter sangue correndo nas veias, minha cabeça andar sozinha junto com meus pensamentos confusos e desordenados, sinto cheiro de esperança, paz e luz, luz essa tão forte que parece cegar meus olhos, o peito sente uma leve falta de ar e uma sensação de estar se afogando no mar morto. Morto! É assim que de uma certa forma me sinto no momento e junto com a morte a vida parece andar de mãos dadas, a ansiedade de levantar dessa cama é enorme.
Então, meio que falando sozinho sob efeito da injeção, durmo com uma sensação de medo e de que algo esta acontecendo sem querer acreditar que aconteceu algo.
Depois de horas, afinal, não sei o que são horas, não faço a menor idéia de tempo e espaço, acordo com o sol forte nos olhos e uma bela enfermeira (Lucy) ao lado do Drº Tom olhando para mim sorrindo.

Drº Tom = Bom dia meu amigo, sente-se melhor? Essa é mais uma amiga, a enfermeira Lucy, que assim eu, já o ama e quer te ver bem, sorrindo e feliz.

Lucy = Olá meu amigo, saiba que eu Te Amo do fundo do meu coração. E estou pronto para lhe ajudar em tudo que precisar, seja muito bem vindo a vida! A sua nova vida que teremos o maior prazer de lhe ensinar a conviver e principalmente, entender o motivo e as causas da mesma.

Duff = “Nova vida?”

Interrogo-a irritado e confuso

Drº Tom = Acalme-se meu amigo! Perdoe se de alguma forma a enfermeira Lucy lhe irritou. Vamos levantar dessa cama e andar um pouco pelo jardim? Esta um belo dia la fora e precisamos ver como você esta se recuperando!

“Meio intrigado, levanto-me e começo a caminhar de mãos dadas com o Drº Tom. De uma certa forma, mesmo confuso, eu confio nele como se o conhecesse a tempos. Levantei-me e meu corpo não sentia mais nada, estou intacto, mas apenas o pulso ainda arde”.

Quando passo pelo corredor do hospital, todos olham para a minha direção com sorriso nos lábios e aparentando estar felizes com a minha recuperação, de uma certa forma, o que me assusta, é que sempre detestei hospitais e sempre senti um clima pesado e sujo, bem diferente deste que é tudo limpo e com ótimo cheiro.

Um belo jardim do lado de fora e sem a visão de carros, asfalto e concreto, nenhum cheiro de poluição e pessoas gritando de dor, alguns assim como eu, na expressão do rosto parece sentir a mesma coisa, se perguntando que lugar é esse e por qual motivo e como viemos parar aqui?.

Duff = Drº Tom, em qual estado estou?

Drº Tom = Estado de graça meu amigo, na fronteira com a felicidade e a caminho do paraíso.

Duff = Como?

Drº Tom = Acalme-se, você confia em mim? No momento certo saberá o que aconteceu!

Um silencio na minha alma, e uma paz que tudo esta correndo bem, apesar do estranhamento, bateu no meu coração e não indaguei nada e apenas mais uma vez confiei na palavra serena do Drº Tom e continuei o meu passeio.
Pouco mais de uma hora, depois de andar pelo belo jardim do hospital, volto para o quarto e deito-me novamente sob o leito.

Drº Tom = Boa noite meu amigo

Duff = ZzZzZzZz

“ Dormi sem despedir-me tamanho o meu cansaço. Ao fechar meus olhos, começo a lembrar de alguns momentos. A vontade de gritar, os olhos cheios de sangue, o ranger dos dentes e a gilete em minhas mãos cortando-me os pulsos de caindo ao chão desacordado”.

Acordo assuntado aos prantos, varias pessoas ao meu redor de branco e mãos dadas em tom de oração.

Drº Tom = Olá meu amigo, conseguiu entender o que aconteceu com você? Esta sentindo e entendendo o sentido da sua nova vida?

Duff = Estou morto?

Drº Tom = Não meu amigo, você só esta entre amigos de verdade vivendo sua verdadeira vida, onde não há ódio e nem drogas ilícitas para desviar o seu caminho, você apenas voltou de onde você saiu e faremos de tudo para sua felicidade, aqui você é amado. Aqui você será feliz por completo, não pelas metades.

“ Aos prantos mas de felicidade, apenas chorava sem indagar aceitando e olhando para a água dentro do copo no centro do quarto, apenas choro e choro, pois, tudo ficou tão claro e em paz, a dor e ardor dos pulsos putrefatos não mais me incomodavam. Senti que realmente não iria mais sentir dor e recordei-me de tudo que havia acontecido ao longo da minha vida na Terra. Por acreditar em Deus e nos estudos Kardecistas, sei que errei, sofri, não quis aceitar ou entender o primeiro impacto, mas bastou apenas sentir o amor e a compaixão desse hospital para poder sorrir e aceitar e saber que sou amado pelo Mestre, que ao mesmo tempo que interrompi minha vida, ainda vim para o paraíso prometido”.

Em tom de oração, agradeci e abracei a minha nova vida e meus novos amigos, perdoei a todos que deixei e amei a partir de agora, os cuidarei olhando daqui todos os passos”.

“Que assim seja, obrigado Pai”.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Eu gostaria de Voar!

Eu gostaria de Voar!

Tudo acontece numa velocidade brusca
Que não conseguimos acompanhar totalmente
Há treinamentos específicos para se aperfeiçoar no que faz
Máquinas e robôs surpreendem os humanos
Nos tornamos dependentes deles
Chegamos a pensar que irão dominar o mundo
Acredito eu que são os extraterrestres que os americanos tanto acreditam
Sou prático demais com as coisas
Um pouco disperso e inconstante
Dedico-me apenas ao que está no meu alcance atualmente
Mas vivo e creio eu que os seres humanos em geral
Vivem um momento de cada vez
Tentando aproveitar da melhor maneira possível
Não havendo nada de errado com isso
Tudo é planejado e executado de acordo com suas necessidades
O foda é quando tudo vai por água abaixo
Momentos ruins e dificuldades de reverter a atual situação
como pode um momento estar tudo nos conformes e em outros instantes, seu mundo desaba
É assim que me sinto nos últimos meses
Não consigo mais dormir direito
Não tive sonhos, mas sim pesadelos
Meu cabeção a mil por hora, só pensando em como vou fazer isso ou aquilo
Preocupação demais
Soluções distantes dos meus olhos
Um desespero e uma vontade de voar
E tentar sentir a brisa do vento em meu rosto
Para enfim secar minhas lágrimas e fazer voar para longe minha angústia
E se eu não voltar, ficará tudo no esquecimento porque eu não mais irei existir
E quem quiser me cobrar ou reclamar, estarei rindo pra caralho da sua cara
Vá enviar um boleto bancário no meu túmulo
E aguarde quem sabe em uma próxima encarnação receber o que lhe devo
Mas enfim, tudo aos poucos se resolve
Aquele velho ditado, "tudo no seu tempo"
É sim muito válido, mas bixo, é muito complicado
Os boletos bancários, aquele mesmo que iriam depositar no meu túmulo
Não esperam, não param e esperam você voltar a se estabelecer
Ou sinceramente dizer um "foda-se" bem grande e virar hippie
Seria tão fácil chegar pra tudo e dizer: "Calma ai meu, tudo no seu tempo, ja dizia aquele ditado popular
As coisas acontecem no seu tempo certo, relaxa que eu vou resolver tudo, mas com um tempo, eu preciso desse tempo ok?"
Bom, enfim, diferente do que costumo escrever, estou apenas curtindo um desabafo
Enfim estou começando a viver o momento certo mais uma vez
Ganhei mais uma chance dessa sobrevida que vivo
Vivo literalmente, quem me conhece, entendeu o trocadilho....rs
Aqui me dispeço, agradecido a Deus e principalmente minha mãe e amigos que sempre estiveram do meu lado
Dando apoio moral, cobrindo minha conta na cerveja(prometo retribuir tudo) e torcendo por mim a cada momento
Até chegar o tão esperado "tempo certo"....
Obrigado mesmo....

E que assim seja...

terça-feira, 16 de junho de 2009



Naturalidade Duvidosa


Por acaso você já parou para pensar na sua vida?
Como você se sentiria se nada está fazendo sentido e tudo está mórbido?
Sinceramente eu não me recordo de estar totalmente completo
E isso me incomoda na hora de dormir e ter meus tão sonhados sonhos!
Aonde e com quem estarei na hora que descobrir o verdadeiro sentido da vida?
Como é que podemos sentir o cheiro do ar e ouvir o canto dos pássaros
Se nesse momento nada faz sentido e não estou nem um pouco a fim de rir de tudo
Porque estou sinceramente incomodado com essa cárie no meu dente
Que não deixa eu tentar brincar de ser feliz e tocar com minha banda!
Isso me faz sentir ainda mais idiota e confuso
Fazendo-me sentir ainda mais estúpido e fraco
Querendo fugir dos problemas e conhecer novas culturas
A fim de me descobrir e tentar me enganar
Fingindo entender o que estou fazendo no mundo e porque sou dessa família
Tenho amigos fiéis e muito amados, mas mesmo assim fico insatisfeito
Pareço ser um mal agradecido, mas felizmente ninguém além de eu ter algo a ver
Tormentos e pensamentos totalmente fora do normal sendo normal
Um maluco chato e arrogante com seus próprios sentimentos
Saturado de tudo e sempre se perguntando o porquê das coisas
Quando me questionam sobre o que estou sentindo
Dou um sorriso e digo que estou apenas cansado
Mas não consigo enganar ninguém, porque as pessoas me conhecem melhor do que eu mesmo
Então me pergunto novamente, porque estou sendo tão insensível com todos?
Qual será a minha naturalidade?
Será que sou de Saturno, Órion ou um Plêidiano ?
Dizem que sou brasileiro e gosto de axé e samba
Mas eu gosto é mesmo de Rock n Roll, eu me visto como um
No meu computador, as minhas músicas são desse gênero
Nada brasileiro, a minha comida favorita é fast food
Não ao feijão com arroz
Sou uma pessoa que adora o tempo frio
E no Brasil o ano inteiro é verão
E a única coisa que eu gosto do verão e ir a praia pra tomar cerveja e ver mulheres
Eu torço pra um time de futebol fora do meu estado
Eu me sinto realizado em qualquer lugar fora do meu habitat natural
As coisas são muito esquisitas!
Tudo é confuso e avassalador
Enfim, as respostas e novos questionamentos, virão a tona na hora certa
Vou procurar a buscar uma falsa paz para poder rir sem a cárie nos dentes
Vou buscar novamente o calor dos meus amigos
Eles irão me entender e me ajudarão
Oportunamente irei superar mais essa solidão
E meus sonhos novamente serão belos
E meu sorriso novamente será elogiado por uma bela mulher
E novamente terei auto-estima o suficiente para poder conquistar o coração dela!


quinta-feira, 21 de maio de 2009

"O circo"

O show vai começar! As luzes ja estão prontas
A dança ensaiada e a música preparada para o play!
Agora, falta pintar o meu rosto e colocar o nariz de palhaço
Pois o circo está armado!
O show tem que continuar!
E eu? Sou o bobo da Côrte
O palhaço apedrejado, e estúpido esculachado...
A cara à tapa de suas mentiras, sua traição!
Minha vida está tão exposta como uma fratura
Falam de mim sem pedir licença
Viram os rostos e me xingam sem me dar defesa
Sou um mentiroso sem mentir
Sou uma criança sem opinião
Um idiota que você escolheu para assassinar
O rostinho bonito para você cuspir
O corpo putrefato para ser molestado
Um ser humano? Provavelmente não!
No Globo da morte, eu ando sem proteção
Na janela dos leões, não uso cadeira e chicote para defender-me!
No trapézio não há abaixo de mim redes de proteção
Na hora da platéia rir, eu sou o motivo da risada
Risos sádicos! Risos sádicos!
Um perfeito idiota sendo abusado pela sua boa fé
Por ser um bom homem, honesto e brincalhão
Isso não é uma chave para poder se meter em minha vida!
Ja chega, me deixa ir embora e voltar para o meu quarto escuro de onde não deveria ter saído
E chorar minha dor
Pois quero me olhar no espelho
E encontrar a minha graça
O que tenho de bom para usufruir
Quero tirar minha foto 3x4
Para ter uma nova identidade em outro lugar, outra vizinhança
Vizinhança dos otários
Quero ouvir músicas pesadas, carregadas
E entender a estética da dor de quem canta e de quem escuta
Quero gritar forte até ensurdecer
Quero surtar e usar alucenógenos
Para perder minha vergonha e ganhar coragem
Para encarar sua cara pálida e seu mal humor
Bater de frente com sua opinião esdruxula e lhe desprezar
Ignorar-te e chutar seu trazeiro fétido e imundo
Vou embora para outro picadeiro
Vou ser estrela de um novo espetáculo
Apresentar minhas doenças contagiosas
E desprezar a sua medicina melancólica
Vai procurar uma outra vida para se meter
Um outro palhaço para rir, pois "EU", ja perdi a graça
Estou morto, e mesmo assim ainda me atormentas.
Ja chega, Ponto Final

terça-feira, 11 de novembro de 2008

Saudade


Quem inventou a saudade, esqueceu da solidão
O intermédio da verdade está nas conclusões
A importância das pessoas está ligado devidamente a importância que ela tem a nós
Porque isso acontece? Eu sinceramente não sei explicar ao exato
Só sei que a saudade que eu sinto é sinceramente explicável
Apenas para mim, pois o que eu acredito, nem todos acreditam
Existe as fotos
Existe os anos que passaram ao meu lado
Existe todo o carinho que recebi e senti por você
Sua presença física não mais é possível sentir
Mas sua presença espiritual é nítida
É o que faz me ter ainda mais orgulho de você
Que mesmo uni presente, não esqueceu de nós
Senti sua presença no meu aniversário
Senti seu abraço, senti seu beijo
Mas infelizmente não ouvi a sua voz
Mas foi muito bom
Por um momento em minha festa, eu parei e fiquei só
Mesmo com a festa bombando
A cerveja super gelada, sóbrio? Não mais!
Mas por um momento eu parei, senti, e chorei
Agora, depois de um bom tempo
Eu meio que sem inspiração para escrever
Olho suas fotos PAI
Fotos que minha irmã cheia de saudade também scaneou para colocar no Orkut
Então, acordei, olhei as fotos, comecei a pensar em você, e agora chorando escrevo
Para quem quiser ler, para quem também não quiser
Mas escrevo por eu mesmo, que por mais que tenha que ser forte
Eu tenho esse momento solitário
Não demonstro muito que a saudade aperta
Ontem na faculdade, apresentaram um trabalho sobre o programa de rádio que o senhor sempre ouvia espetando os churrasquinhos para mais tarde ir trabalhar
Foi inevitável não lembrar de você
Mas não caiu as lagrimas
Acho que o trabalho que eu vi ontem, já foi um indício de que hoje eu iria escrever algo pro senhor meu PAI, ou melhor, meu Herói, meu super herói, de quem por mais que não demonstrasse, sempre senti muito orgulho e sinto até hoje e sempre o levarei como exemplo de superação e força, por mais que as doenças que essa vida nos atinja, mas mesmo assim, tu é forte, pois foi até onde não dava mais, ficou entre a vida e a morte, agüentando um pouco mais para se decidir, conversando e estudando com os anjos e os espíritos de luz sobre permanecer enfermo na Terra, ou sentir a saudade da família e partir sem mais sofrimentos, senti isso meu velho, quando falei que esperava apenas a presença da minha irmã, sua filha tão amada para poder partir, até inconsciente no corpo, seu espírito de luz que é e sempre foi, lhe deu a permissão de sentir a presença carnal pela ultima vez, eu Pai, senti que o senhor me pediu isso, e eu como bom filho que sempre tentei ser, por mais errado que eu fui um dia, acho que paguei todas as minhas dívidas aquele dia, lhe dando um descanço mais feliz, e até no dia do seu funeral, eu senti que estava sorrindo e feliz, eu não esqueci da sua camisa do nosso tão amado Fluminense. Ahhhhhh, quanta falta tu faz “Véinho” assim que eu o chamava lembra? Mas eu sei que está ai de cima, olhando tudo e vendo que estou crescendo, bom, pelo menos tentando, quero que tenha muito orgulho de mim e que me ame sempre e lute por mim ai em cima, pois estarei fazendo de tudo pra cumprir e cuidar de tudo que criou aqui na Terra até a hora do nosso reencontro. Agora vou meio que terminando e em forma de prece, eu agradeço muito a Deus pelas palavras iluminadas de saudade que me foi concebido, peço sempre força para não desistir de meus objetivos, sorte para poder alcançá-los e peço também que nunca se apague essa saudade e que ela continue assim, como deseja, para não perder o foco do que ainda tenho que fazer aqui na Terra, TE AMO PAI....E QUE ASSIM SEJA

quinta-feira, 12 de junho de 2008

Solidão do Quarto


E tudo se resume em vender....
Olha só amor, eu quero aquele vestido lindo de 1,800 reais que ta na vitrine, hoje é dia dos namorados;
Mas eu não tenho dinheiro amor;
Ah, tudo bem, estou brincando! (besta, porque eu fui arrumar esse babaca duro e sem um puto no bolso pra namorar?);
Mas não importa, temos uns aos outros, Te amo!!!
Eu também amor!!! (ainda por cima é sentimental).
Por incrível que pareça meus caros, isso acontece. Tudo é tão lindo e bonito na tela da tv, tudo é fácil pra pagar, quem tem cartão de crédito tem um reino nas mãos, as facilidades são enormes, a variedade é imensa, se você gostou desse e não tem mais no estoque, eu tiro do manequim e coloco no seu corpo, o provador é logo ali, ah, conversei com minha gerente e você pode dividir em até um milhão de vezes, ou se quiser, venda a alma pro diabo que ta pago. Agora eu pergunto, onde ta o sentido disso tudo, penso que isso tudo é besteira, é válido se não existisse esse tão maldito capitalismo, mas é uma coisa que não adianta lutar contra, no fundo, somos todos capitalistas e não adianta negar isso, mas a minha maior raiva desse maldito "dia dos namorados", talvez possa soar como uma inveja pra quem curtiu com seu par e eu to solteirão na área, po, eu queria muito poder ir num cinema, tomar um sorvete, depois fazer um lanche e pra encerrar com chave de ouro, vir pro meu quarto e transar com minha gata, e acordar do lado dela amanhã cedo e continuar o "dia dos namorados", porque não tão diferente dos outros dias comemorativos, tipo mães e pais, esse espírito tem que ser em todos os malditos e abençoados 365 dias do ano, mas entra um complexo de comprar nas pessoas e de vender dos empresários, que faz desses dias para pessoas como eu, a passar a odiar todos esses dias pelo estardalhaço de falta de sentimento do verdadeiro sentido de comemorar um dia especial para a tal situação. Hoje to escrevendo diferente, meio sem inspiração, mas no fundo eu queria estar aqui no meu quarto do jeito que estou agora, mas acompanhado, ouvindo um Beatles, fumando um cigarro, mas isso não é possível, as vezes penso que nunca será, sou um cara muito complicado, esquisito, estranho, mas que vive incrivelmente feliz, esse blog, me serve pra isso, pra eu expressar o verdadeiro EU e minhas malditas torturas sentimentais, mas pessoalmente, eu sei ser feliz e não ser um CHATO, bom, pelo menos meus amigos(de que eu não tenho o que reclamar) me adoram e eu idem, mas eu quero alguém, eu sou de alguém, isso eu sei, sempre na vida você tem alguém que está destinado a você, eu tenho uma mulher que vai ser a mulher dos meus filhos, a que não vai me trair, a que vai curtir comigo as mesmas coisas que eu curto, que vai me aceitar do jeito que sou e jamais vai fazer como o começo do texto, porque tem mulher que é assim, que quer um cara com grana e um carro louco pra sugar toda a grana que puder do idiota, que tem muitos por ai, que acham que está com a mulher mais gostosa da região tirando onda, mas na verdade irmão, é um trouxa, babaca, as vezes procura ser assim, então, como eu não sou nenhum desse tipo ai acima, sou simples, minha mania é essa, eu quero isso, eu preciso disso, curtir, beber, ouvir um bom som, viver intensamente uma paixão. Enquanto esse dia não chega e no fundo eu não tenho tanta pressa assim, vo curtindo a solidão de altas horas da noite no meu quarto, ouvindo um Beatles, fumando um cigarro e depois colocar minha cabeça no travesseiro, orar e agradecer a DEUS por mais um dia, orar pelo espírito do meu amado pai, pela minha mãe e uma parte da familia que presta e que eu posso dizer que amo, e dormir com o corpo(matéria) sorrindo, mas a alma, repleta de angústia e saudade, saudade de um tempo em que eu curti momentos bons com alguém ao meu lado, mas que não era pra mim, mas infelizmente não sai da minha cabeça. Então, feliz dia dos namorados pra quem tem, e pra quem não tem, como eu, feliz dia que deu tudo certo e você não foi atropelado por um trêm, está tudo certo pra dormir feliz e acordar amanhã e começar mais uma rotina na sua vida.

terça-feira, 13 de maio de 2008

O show

Bom, pra começar, essa é a foto da minha banda de rock, e esse texto, vai ser editado de acordo com o que eu senti nesse dia tão especial pra mim, e ao mesmo tempo, desesperador. Foi um evento que reuniu bandas que estavam meio adormecidas no meio do rock de vila velha minha cidade, bom, não vo alongar muito nesses detalhes não porque o que convém nesse texto é outra coisa. Foi um reencontro, mas, que reencontro é esse? O meu com uma guitarra, com companheiros, com a música, coisa que me faz tirar de mim todo o peso que sinto, sinto-me muito bem quando me deparo com esse clima, rock, galera, amigos, companheiros de palco, bandas, pessoas curtindo, é um clima totalmente único e apreciável para quem tem uma banda. Mas uma coisa me intrigo bastante nesse dia, depois de um ano longe dos palcos, eu não tenho mais meus cabelos longos, os caras que tocam comigo não são mais os mesmos de quem começo comigo a banda, eu não tenho mais 17 anos e sinto muitas dores nas costas depois de uns dez minutos de apresentação, meus gritos não são mais os mesmos, mas, nesse dia, algo diferente eu senti e percebi, que depois de muito analizar, eu resolvi escrever pra dividir com as pessoas que passam por aqui pra entender. Eu subi no palco, não falei com o público que ali estava logo de cara, toquei a primeira música, logo após, abri a boca pra chamar um amigo pra cantar comigo uma canção, e depois dessa canção, enfim tive o primeiro contato com o público, anunciando que a banda estava ali de volta, e dedicando o show para o meu pai, que está a três meses sem a presença carnal dele, e uma lágrima correu em meu rosto, discretamente, abaixei a cabeça e segui o meu set list. A partir daí, no decorrer do show, senti um clima mórbido, as pessoas pararam de pular, eu não conseguia ter atitude pra empolgar o público, coisa que antigamente me incomodava bastante, daria a impressão de que não estavam gostando do show, das músicas, sei la, fechei os olhos e não me importei com isso, e a partir daí, senti que as pessoas me olhavam fixamente, como se perguntando se eu estava bem mesmo, se eu estava precisando de ajuda, sei la, esquisito, é um clima que eu nunca senti nesses quase 8 anos de banda, foi um show totalmente diferente de todos que eu presenciei e tive a oportunidade de criar esse caso, me dava a impressão que eu estava fazendo as pessoas sofrerem junto comigo aquela angústia que sinto por dentro, os gritos, na verdade, eram uma pobre alma pedindo socorro, parecia que eu estava morrendo aos poucos ali, é muito esquisito, me senti como se fosse o último acontecimento da minha vida, por dentro eu chorava intensamente, mas por fora eu era e sou ultimamente uma rocha falsa, que não encontra paz e tranquilidade, estava numa situação totalmente agonizante, querendo que aquele momento sei la, acabasse logo pra ver se eu tava viajando na onda ou se realmente eu criei uma novela pra esse show, mas ninguém me tira da cabeça que aconteceu, as pessoas, pelos poucos momentos que abri meus olhos, olhavam para mim, tentando entender talvez o que se passava pela minha cabeça naquele exato momento. E então, o "gran finale" estava por vir ainda, a última música é uma composição minha, se chama " i´ll never try again"(nós jamais tentaremos novamente), era a música onde a organizadora do evento iria nos filmar, e eu disse pro público ali presente que era para ninguém pensar assim, que a gente tem que se impor e se queremos algo, nunca digam jamais vo tentar dinovo, contradizendo o que eu ia cantar naquele momento, e é a música mais melancólica e triste do set, e então, eu em um momento único e solitário, em seu fim, quando a bateria e o baixo pararam, num ritual que eu costumo sempre fazer, ainda fiquei ali, defronte com o amplificador com o captador da guitarra zunindo no meu ouvido, desafinando e afinando a corda, fazendo um momento totalmente egoísta e se não fosse o momento de sair, ficaria ali por mais um tempo, ou até horas, porque eu ali estava, novamente discretamente, deixando as lágrimas caindo e pensando porque o show foi tão bom e o mesmo tempo o mais agonizante da minha vida. Bom, essa novela ainda vai continuar por mais uns capítulos, até eu me descobrir de verdade e descobrir o que quero e o que eu to buscando pra encontrar respostas para esses tormentos e falsos sorrisos que estou distribuindo por ai. O que falta pra mim? Sei lá...